6 tendências do marketing digital para prestar atenção em 2022

Recentemente, o Google divulgou seu relatório Year in Search 2021 com as principais tendências do marketing digital que devem ser acompanhadas ao longo de 2022. Todas elas são influenciadas diretamente pela mudança de comportamento do consumidor em razão da pandemia.

Pensando nestas mudanças, especialistas da MATH MKT e MATH ADS listaram as 6 tendências do mercado digital para 2022, e ainda não estamos falando de metaverso.

Nesta análise você encontrará provocações às mudanças que rolaram no ambiente físico e digital, dentro das categorias novos hábitos, comportamentos, mercado de trabalho e educação.

A partir de todos estes insigths, o profissional de marketing consegue utilizar dados para antecipar tendências, e assim realizar testes de hipóteses para a captura de mais leads e conversão das tendências vindouras, enquanto são pequenas.

Mas como usar estes dados de maneira mais assertivas? As respostas você encontra a seguir:

1. Antecipar tendências, olhando o comportamento dos americanos

O pensamento do “antigo normal” nos levou a buscar tendências de comportamento dos consumidores americanos, pois normalmente antecipam o movimento que teremos aqui no Brasil. No entanto, agora estamos todos experimentando esta mesma realidade ao mesmo tempo.

Fazendo um paralelo com o Consumer Trends Report | Q4 2021, feito pela JungleScout (cujo foco é o marketplace da Amazon), vemos uma sinergia, mas ainda com mudanças entre os comportamentos. Principalmente, no que se refere a cuidados com a qualidade de vida e plano de viagens. A vontade represada de sair de casa está claramente se materializando no comportamento demonstrado pelas buscas.

Um dos pontos mais curioso, é de algo que não é visto de forma tão presente no Brasil, que são as opções de presentes virtuais para o Natal, é apontada por 27% dos consumidores americanos. Nesta linha de presentes, temos assinaturas de Netflix, Spotify ou uma Masterclass, por exemplo. “No mercado brasileiro, existe ainda um novo território de comportamento que vale a pena olharmos com carinho”, explica Marcel Ghiraldini, Chief Growth Officer da MATH.

Este comportamento pode mostrar uma predileção aos produtos físicos no Brasil, “eu aposto em imaturidade do mercado (o produto em si), pois ao compararmos com produtos educacionais, por exemplo, o consumo virtual teve uma performance melhor que o físico, inclusive em taxas de renovação”, comenta Ghiraldini.

Segundo o CGO da MATH, a comparação pode não ser justa, mas vale como contraponto para entender que os produtos digitais fazem parte do cotidiano do consumidor brasileiro, mesmo em temas sensíveis como formação. Já a compra de produtos virtuais, para o metaverso ou simplesmente uma nova skin no Free Fire podem ser bons indicadores de comportamento futuro.

2. Continuidade da propensão pelo ensino EaD

No relatório do Google 2021, percebemos a mudança de hábito e comportamento em diversas frentes, como: encontros presenciais, virtuais, práticas de esporte ou busca por desenvolver nova habilidade. Algumas delas vinham aceleradas desde o início da pandemia em 2020 e outras que mostraram inclinação a uma nova direção.

“Se fizermos um rápido exercício mental podemos, por exemplo, entender que a restrição de festas, bares e eventos contribuiu para o aumento de busca por aplicativos de namoro (visto que os “encontros ao acaso” ficaram muito mais difíceis.)”, comenta Fabiana Amaral, Development Coordinator da MATH MKT.

Olhando mais atentamente para a educação, como havíamos mencionado anteriormente, o consumo virtual deste tipo de produto teve uma performance melhor que o físico, inclusive em taxas de renovação. Escolas, professores e instituições de ensino tiveram grandes desafios para se ajustar às necessidades, especialmente nos últimos dois anos. “Aulas mais dinâmicas, modelos de ensino a distância, lives e formatos híbridos foram impulsionados e, de “solução de um problema”, passaram a ser a melhor opção, inclusive para as empresas de ensino”, completa Fabiana.

E como saber que é a melhor escolha?

Muito além de olhar para o que passou, é essencial olhar para frente e aproveitar as oportunidades que aparecem. E para ter certeza que os itens ajustados estão fazendo sentido, temos que analisar os dados.

No momento que vivemos, esperar semanas para entender os resultados de uma ação pode significar grandes prejuízos. Por outro lado, um bom acompanhamento dos números possibilita a tomada de decisão de forma inteligente, sem “achismo”. Em cima disso, deixamos uma provocação: como está sua visão de dados para aproveitar ao máximo o que relatórios como esse podem agregar?

Assine a Newsletter para receber os nossos conteúdos!
Interesse

3. Presencial, virtual e híbrido disputando o “novo normal”

Um aspecto muito contundente no relatório Year in Search 2021 do Google é a mudança de hábitos e necessidade de adaptação das pessoas. Um combo que traz contínua incerteza e desafia o instinto humano de se precaver e se planejar. 

Mas as pessoas continuam fazendo planos, ou ao menos tentando. Em janeiro de 2021, o modelo “híbrido” deu um salto de buscas, considerando apenas os segmentos de emprego e educação. Era a população tentando entender a fotografia do momento, buscando estudar e trabalhar de forma a não perder a rotina de contato humano e também os cuidados com a covid-19. “Infelizmente, com o passar dos meses, a procura por empregos e cursos de forma virtual voltou a subir. E o modelo híbrido perdeu volume”, Gabriel Nunes o Consulting Executive Director MATH ADS.

4. Trabalho: quanto mais perto, melhor

De acordo com Nunes, a vontade (ou necessidade) de retomar também acelerou as buscas por “vagas perto de mim”, fazendo com que o termo “perto de mim” refletisse no Year in Search a mudança de comportamento da população, agora vivendo seus pequenos “centros”, sua região, seu bairro, evitando o risco de aglomeração em grandes deslocamentos ou a falta de qualidade de vida ao ficar horas indo e vindo do trabalho. 

5. Melhor x barato em alta no mercado digital

Ao longo dos últimos anos, o buscador do Google se tornou uma ferramenta para se comparar absolutamente tudo a respeito de um negócio e esse comportamento não é diferente quando postulantes a fazer uma faculdade, avaliam onde estudar na modalidade à distância. Já que o jeito de estudar ganhou uma nova dinâmica com o distanciamento social, a preocupação é não perder qualidade de ensino, ainda que seja preciso desembolsar um pouco mais. “Não à toa, um maior volume de usuários do buscador procura a melhor faculdade, e não necessariamente a com menor custo”, sugere o Consulting Executive Director MATH ADS.

6. Adeus CLT?

O Year in Search também mostrou que em nível mundial, as pessoas buscaram saber mais sobre como abrir um negócio próprio do que como conseguir um emprego. E no Brasil esse duelo também fica muito parelho, como mostram as tendências de pesquisa. Será que reflete o futuro do trabalho e a demanda da força produtiva em balancear com independência e flexibilidade?

Dado os insights, pouco importa o ano, a crise, se existe ou não uma pandemia mundial acontecendo. “O velho e novo “normal” do marketing em finais e início de ano é: falar de tendências para o ano seguinte”, considera Bruno Prolo, Consulting Executive Director MATH MKT.

E como basear-se em tendências para o ano seguinte se o cenário atual é instável? A MATH entende a sua dúvida, afinal:

  • Suas metas não foram atingidas e você está com a corda no pescoço.
  • Você conseguiu bater suas metas! Mas… a régua subiu e a projeção de crescimento pro ano seguinte é um tanto quanto ousada.

Por mais que tentemos organizar nosso tempo, sempre corremos o risco de deixar para a última hora este planejamento, e esse é o grande problema! Seja por conta das inúmeras demandas, projetos ou priorização, muitas vezes acabamos por recorrer à busca “Tendências marketing 2022” ou similares no Google.

Fácil, né? Ler três artigos que falam de tendências, selecionar alguns candidatos a projetos para o ano. Mas o que tem de errado nisso?

A crítica nesse processo de idealização é: enquanto as tendências de mercado falam em metaverso, você ainda perde dias/meses pra chegar nos resultados das métricas que indicam de fato o que você deveria priorizar no seu negócio. E infelizmente você descobriu isso tarde demais. Independente de qual seja a tendência para o marketing no ano seguinte, comece pelo básico.

Para qualquer uma das situações acima, o fato é que aqui na MATH acreditamos muito na expertise coletiva. Se vier tudo mastigado, e encomendado, não tem graça e nem evolução. “Afinal de contas, a área é sua e ninguém melhor do que você e seu time, pra pensar e planejar os projetos do ano seguinte”, enfatiza Prolo.

“Ter dados trabalhados pra gerar as informações necessárias pra sua tomada de decisão, em pleno 2022, É BÁSICO! E o básico precisa ser bem feito”, diz o Consulting Executive Director MATH MKT.

Por isso a MATH traz ciência para organizar dados, remover ruídos e clarear a solução ideal para o seu problema.



Feedback